Churrasquinhos do Luizinho

“O churrasquinho do Luizinho é sempre imitado, mas nunca igualado.”

Luizinho exibe com orgulho os churraquinhos que atraem centenas de pessoas todos os dias
Luizinho exibe com orgulho os churraquinhos que atraem centenas de pessoas todos os dias
O lugar ideal para um happy hour, onde as pessoas conversam alto, sentam-se em pequenos bancos ou ficam em pé, tomam cerveja e comem um delicioso churrasquinho. Às 16h, 12 pessoas. Às 22h, 500 pessoas. Essa é a rotina de um dos bares mais conhecidos do Prado, o Churrasquinhos do Luizinho. Instalado num galpão, centenas de pessoas são atraídas ao local pela variedade e qualidade dos espetinhos de carne.

O proprietário, Luiz Augusto Barbosa, o Luizinho, tem a simplicidade como sua aliada. Usando um jaleco, como todos os funcionários, ele e sua esposa Carol trabalham como caixas do estabelecimento há mais de 10 anos. Conhecido pela simpatia do dono e pelo sabor do espetinho, o bar do Luizinho é um dos mais frequentados de Belo Horizonte. “Para nos diferenciar, preparei um tempero especial para os espetinhos. As pessoas até tentam imitar, mas esse segredo eu não conto”, diz o proprietário.

Luizinho não revela o segredo do tempero, mas a história do bar, ele conta com muito orgulho. Para isso, é preciso voltar no tempo, mais precisamente no ano de 1998.

O início

A fama de batalhador é uma característica do brasileiro. E Luizinho não foge à regra. Mineiro, nascido em João Pinheiro, Minas Gerais, ele ficou desempregado em dezembro de 98. “Eu trabalhava em uma transportadora aqui em BH e, quando vi que ia ficar desempregado, já comecei a pensar no que fazer”, relembra Luizinho. Depois do carnaval, do ano seguinte, ele decidiu: “Churrascos. É isso!”. Como a ideia principal era fazer algo que gostava, conseguiu emprestado um carrinho de mão com um amigo e começou a vender os espetinhos no bairro Prado. “Comecei a vender os churrasquinhos na rua onde eu morava e depois em outras ruas. Na época, eu vendia mais churrascos do que cerveja e ficava até as 4 horas, todos os dias”, conta.

A partir daí, passou a vender os espetinhos na garagem de casa com a ajuda da família e de Carol, a incansável companheira. “Desde o início, Carol foi a peça chave de tudo. Na época, namorávamos ainda, ela estudava na UFMG durante o dia e ficava até a madrugada vendendo os churrasquinhos comigo”, lembra.

Com muito esforço e um pouquinho de sorte, o empreendimento de Luizinho foi aumentando a cada dia. Trabalhando sempre com carnes de qualidade e usando o tempero especial, preparado por ele, em 5 de abril de 1999, o churrasqueiro decidiu inaugurar o Churrasquinhos do Luizinho. “No dia da inauguração, eu preparei 23 espetos que foram vendidos das 17 às 21 horas. No dia seguinte, vendi 35 unidades, das 17 às 19 horas. Já no terceiro dia, vendemos 85 espetos, em um tempo ainda menor. A partir daí, começamos a ser conhecidos na região”, comemora.

Em novembro de 99, Luizinho saiu da garagem de casa e alugou outra, na Rua Cuiabá, ainda no Prado, bairro de onde nunca saiu. Ali, conseguiu adaptar um banheiro e geladeiras para colocar a bebida. De acordo com ele, quando o bar passou para esse local é que os churrasquinhos ficaram conhecidos fora do bairro Prado. “Aconteceu uma festa no bairro e pessoas de vários locais da cidade participaram. Durante o evento, muita gente vinha até a minha garagem comprar os espetinhos. Vendi muito nesse dia e com o dinheiro da venda, paguei quatro meses de aluguel adiantado”, relembra.

A freguesia aumentava a cada dia e a garagem já não comportava mais tanta gente, que se espremia para comprar, comer e conversar.  Em agosto de 2004, o proprietário alugou uma loja, um pouco maior, na esquina da Rua Turquesa. O Churrasquinhos do Luizinho permaneceu ali por cinco anos, período em que o proprietário contratou mais pessoas para ajudá-lo, já que o sucesso dos seus espetinhos e do seu tempero se espalhava pela cidade.

O galpão

Todos os dias era a mesma história: pessoas dentro da loja, na porta, na rua, venda de espetinhos, de cerveja, refrigerante, tumulto e por aí vai. Com algumas reclamações de vizinhos, o número de frequentadores aumentando a cada dia e o desejo de deixar os clientes mais à vontade, o proprietário se viu obrigado a mudar da Rua Turquesa. “O local ficou pequeno para tanta gente, então, uns clientes me ofereceram um galpão, com uma área bem maior. Eu teria que gastar bem mais, mas para continuar com os churrasquinhos, encarei essa ideia”, revela.

Em 5 de abril de 2009, depois de exatos dez anos de muito esforço para manter o negócio, um galpão passou a ser o novo local do Churrasquinhos do Luizinho. A inauguração contou com a presença de cinco mil pessoas, com direito a um show dentro do estabelecimento.

No novo endereço, com um amplo espaço e mais comodidade, foi construído um playground, banheiros masculino, feminino e infantil, uma área com as famosas churrasqueiras e vários balcões. Além disso, 13 funcionários estariam à disposição do público, incluindo garçons e seguranças que ficam na porta. “Fiquei com medo de não ter público por causa do tamanho do local, mas isso não aconteceu. Graças a Deus recebo, por dia, uma média de 250 clientes. Nas quintas-feiras, já cheguei a atender 500 pessoas”, conta orgulhoso.

Churrasquinhos do Luizinho
Churrasquinhos do Luizinho

O espaço possui um toque todo especial do proprietário. Em todo o galpão, a decoração imita as ruas de BH, com destaque para as placas que levam o nome dele, Rua do Luizinho, e de sua esposa, Avenida da Carol.

Novidades à vista

Com o desejo de melhorar a cada dia, Luizinho já pensa em novidades para a casa. Seus objetivos agora são de fazer um delivery – serviço de entrega para atender à clientela que prefere comer os churrasquinhos em casa – e, ainda, abrir uma loja para vender espetinhos temperados e embalados. “Não penso em fazer franquia, o delivery e a lojinha serão feitos aqui mesmo no galpão. Se Deus quiser, eu vou conseguir isso em breve”, afirma.

Para saber mais sobre a história do Churrasquinhos do Luizinho, acesse: www.churrasquinhosdoluizinho.com.br